Quinta-feira, 25 de Janeiro de 2007

Procura

 

Busca efémera ,

na procura do que nos da prazer,

na ânsia de encontrar,

o que nos faz feliz,

corremos desalmados,

em qualquer direcção,

ao mínimo sinal,

na tamanha ilusão,

de ser ali,

que se encontra o objecto,

da demanda,

do nosso desejo,

nessa insana procura,

vasculhamos tudo e todos,

vamos aos locais mais estranhos,

absurdos,

até à lua se tal for preciso,

sempre na mira,

do ser agora,

desta é que é,

esquecendo sempre o mais obvio,

geralmente está sempre debaixo do nariz,

aquilo que mais se procura,

mora em nós,

bem guardada no peito,

a capacidade de ser feliz,

afinal,

o ser humano é um ser completo em si mesmo.

publicado por Passo às 13:23
link do post | comentar | ver comentários (8) | favorito
|
Segunda-feira, 22 de Janeiro de 2007

Despertares

Meu corpo anseia pelo teu,

meus braços,

procuram teu abraço,

que me enlace,

te traga até mim,

lábios acariciam lábios,

de olhos fechados,

a língua percorre o caminho,

que a tua lhe ofereceu,

sentidos despertos,

calor que se sente fervilhar,

exploro-te,

teu corpo,

um mapa de curvas,

contornado por minhas mãos,

vales e montes,

sulcados,

tracejados,

ao sabor do meu desvario,

unidos por membros,

de pés e mãos atados,

estou em ti,

estás em mim,

avançamos ao ritmo da maré,

do desejo,

sinto-te sucumbir,

sinto-me inundar,

prazer,

submerge todas as emoções,

capitulamos juntos,

rendidos um ao outro,

num frenesim beijos e ruídos,

música para os nossos ouvidos,

até ao momento de despertar novamente.

publicado por Passo às 16:11
link do post | comentar | ver comentários (9) | favorito
|
Quinta-feira, 18 de Janeiro de 2007

Estado Febril

Estado febril,

transporta-me ao imaginário,

de contos de fadas,

castelos lendários,

sapos,

duendes,

gnomos e elfos.

Leva-me para lá do meu inconsciente,

leva-me até ti,

princesa encantada,

que busco no meu fiel Rocinante,

numa luta titânica ,

de moinhos de vento.

Leva-me para lá do meu subconsciente,

feito de medos,

dúvidas,

onde o negro é rei,

a princesa,

a luz,,

não entra,

não por não querer,

mas por a porta estar encerrada.

Leva-me para lá de mim,

para o grande vazio,

onde a felicidade se perdeu,

não quer ser encontrada.

Fiel Rocinante,

regressemos a casa,

aos xás   e ás mezinhas,

esperemos que a febre passe.

 

Estou:
publicado por Passo às 10:10
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Sexta-feira, 12 de Janeiro de 2007

Tu e Eu ... continuação

Já mais nada resta, ficou o vazio. Todos os momentos são nada, a partir deste momento fico só, aqui sozinho neste mundo cinzento e triste. Quando disseste aquelas palavras que dilaceraram o coração, o teu e o meu, nesse momento tudo ficou sem nexo, tudo ficou vazio.

Partiste, desta vez eu não te acompanhei, pois aquilo que nos unia tinha sido quebrado, já não havia volta a dar. Estava dito, estava feito já não tinha mais por onde continuar, já nada restava, nem cinzas, nem os momentos chegavam para reavivar as memórias escondidas que foram apagadas num ápice, levadas por um relâmpago que saiu daquelas palavras, acabou, já não te amo mais. Já não me reconheces, não te reconheço. Somos estranhos um para o outro nada mais resta. Amizade? talvez, mas como se pode ter amizade por alguém que se desconhece, por alguém que já não sabe quem sou, o que somos, o que fomos. Acabou .... adeus ...  EU E TU já não somos a mesma identidade, já não somos nada, simplesmente já não somos, sou só eu és só tu.

Ela levantou-se da mesa do café, com lágrimas nos olhos e sem voltar para trás saiu numa correria. Olhos marejados sem ver por onde passava, seus pés mal tocavam o chão. As pessoas desviavam-se não via nada não via ninguém.

Ele limitou-se a ficar sentado na mesa de café, na atitude estóica do costume, mãos nos bolsos, coração apertado sem saber para que lado se virar. Olhar o rio, sair a correr atrás dela. A concha nada deixava transbordar: Quem passava via um rapaz sentado à mesa do café de ar despreocupado olhando o rio. Nada via, não por ser de noite mas por já não ter nada para ver, olhava o vazio, olhava o nada.

Ela parou, sentou num banco de jardim e deixou correr toda a sua mágoa, todos aqueles anos saíram de rompante como uma inundação que tudo leva, arrastando tudo o que lhe restava, toda a sua força esmoronou-se,  a sua alma foi lavada pelas lagrimas que lhe saiam do rosto, sangrava da alma.

Ele assim continuou, deixou-se ficar, tal qual uma estátua sem alma, vazia e fria, apenas os mais atentos veriam duas lagrimas que lhe sulcavam a face. Em cima da mesa ficara uma pequena folha. Quem passava não a conseguia ler mas ele sabia o seu conteúdo.

 

Será adeus?

será  que o que foi já não volta?

adeus soa a fim,

o encerrar de um capitulo,

já não estamos aqui,

nem um até breve,

uma palavra,

adeus,

fui-me,

foste-te,

para não mais voltar,

fechada mais uma porta da vida,

uma página que se virou,

adeus,

sem retorno,

sem olhar para trás,

sem lamentos,

arrependimentos,

adeus,

não é até breve,

até já,

passou,

chegamos ao terminus,

já não seguimos juntos,

em frente talvez,

mas separados,

adeus,

nossas almas já não se tocam,

não chegaremos juntos a “deus”,

não seremos um só um dia,

nunca mais,

adeus,

nunca é eterno

adeus é para sempre,

para sempre é muito tempo.

Continua ....

Estou:
publicado por Passo às 09:49
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|
Segunda-feira, 8 de Janeiro de 2007

Bela adormecida

Viajei,

por sítios que desconheço,

andei à deriva,

numa das voltas do caminho,

ao olhar o ocaso,

deparei com a bela adormecida,

no seu belo sono,

espera pela vida perdida,

espera pelo seu amor,

aquele que tanto anseia,

espero que apareça,

só não sei porque o receia,

será o desconhecido,

que atormenta o seu sonho,

mesmo em repouso,

na sua eterna espera,

sinto o seu desassossego,

a sua luta intima,

entre o desejo do despertar,

e a incógnita do acordar,

para quem espera,

saber se o sonho é real,

se a espera vale a pena,

tantos anos adormecida,

em seu leito frio de prata,

diamantes trabalhados por tal beleza,

fria,

adormecida,

sem vida,

pois apenas sonha.

Não posso deixar de pensar,

quem sente com tanta alma,

está destinada a encontrar a felicidade,

não apenas num sonho,

quando acordar para a realidade.

 

Estou:
publicado por Passo às 16:39
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

§Quase tudo Sobre Nós

§ crowe

§ Passo

§pesquisar

 

§Dezembro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

§Versus recentes

§ Momentos

§ Mais um!!!!

§ Noite

§ Tu e Eu ... Nós

§ Toca-me

§ Para uma amiga

§ Sou do campo

§ Corvo também entra ... co...

§ Aceitam-se sugestões... ;...

§ Mais um desafio

§Já em papirus

§ Dezembro 2008

§ Abril 2008

§ Março 2008

§ Dezembro 2007

§ Novembro 2007

§ Outubro 2007

§ Setembro 2007

§ Junho 2007

§ Maio 2007

§ Abril 2007

§ Março 2007

§ Fevereiro 2007

§ Janeiro 2007

§ Dezembro 2006

§ Novembro 2006

§ Outubro 2006

§ Setembro 2006

§ Julho 2006

§ Junho 2006

§ Maio 2006

§ Abril 2006

§ Março 2006

§ Fevereiro 2006

§ Janeiro 2006

§ Dezembro 2005

§ Novembro 2005

§ Outubro 2005

§ Setembro 2005

§ Agosto 2005

§ Julho 2005

§ Junho 2005

§ Maio 2005

§ Abril 2005

§ Março 2005

§ Fevereiro 2005

§ Janeiro 2005

§ Dezembro 2004

§ Novembro 2004

§participar

§ participe neste blog

blogs SAPO

§subscrever feeds